Análise da Qualificação da Micro e Pequena Empresa para a Sustentabilidade

Share Embed


Descrição do Produto

Análise da Qualificação da Micro e Pequena Empresa para a Sustentabilidade Daiana Paulina da Luz Censi Leripio1 Anete Alberton2 Alexandre de Avila Leripio3 Resumo: As micro e pequenas empresas (MPEs) enfrentam desafios diários na gestão dos negócios e os mercados demandam garantias do cumprimento de requisitos de sustentabilidade de seus produtos e serviços. A partir deste dilema, foi definido o objetivo deste artigo: propor indicadores e critérios de sustentabilidade para MPEs. Para tanto, foram identificados os principais métodos de avaliação da sustentabilidade empresarial e determinados os indicadores mais apropriados para as MPEs por meio de uma Matriz de Priorização, a qual avaliou 1539 e priorizou 756 indicadores. Após, uma análise de redundância resultante em 96 indicadores, permitiu a avaliação destes frente a sete bases de dados com enfoque em MPEs. Assim, foi possível inferir que cerca de 52% dos indicadores propostos são considerados “clássicos”, pois já foram coletados em bases de dados sobre MPEs (2001 à 2014). Os demais indicadores consistem em contribuições propostas por esta pesquisa, oriundas das melhores práticas sobre o tema. Palavras-chave: micro e pequena empresa. tripé da sustentabilidade. indicadores de sustentabilidade. desenvolvimento sustentável.

1

Engenheira Ambiental (UNIVALI), Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Administração na Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI. Email: [email protected] 2 Doutora em Engenharia de Produção (UFSC). Professora no Programa de Pós-Graduação em Administração na Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI. Email: [email protected] 3 Doutor em Engenharia de Produção (UFSC). Professor no Programa de Pós-Graduação em Administração na Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI. Email: [email protected] __________________________________________________________________________________________ 1

1 Introdução As micro e pequenas empresas (MPEs) necessitam constantemente de novas estratégias para garantir a perenidade dos seus negócios, devido a entrada de novos concorrentes no mercado, às pressões exercidas pela legislação e dos próprios consumidores. Os desafios são expressivos, as políticas públicas brasileiras destinadas às MPEs, por exemplo, são fundamentadas basicamente na liberação de crédito para os empresários e não estão atreladas ao desenvolvimento de programas de instrução para a utilização mais adequada dos financiamentos. Independentemente da relevância das MPEs para a economia do país, o índice de mortalidade (com base no período de 2007 a 2010) no Brasil é de 24,4% para empresas com até dois anos de existência, evidenciando que a perenidade nos negócios é um desafio e que o ciclo de vida das MPEs ainda é curto apesar de já ter havido um incremento durante esses anos (GRAPEGGIA et al. 2011; SEBRAE, 2013). Nesse contexto a sustentabilidade se configura como uma estratégia de competitividade e sobrevivência para as MPEs, pois aborda táticas de gerenciamento de riscos, contemplando aspectos econômicos, sociais e ambientais dos negócios analisados sob a ótica de suas interações, alinhados com o estado atual dos ecossistemas em que estão inseridos, bem como a incerteza dos mercados em que atuam (SMERALDI, 2009; ANDERIES et al., 2013; WU; OLSON; BIRGE, 2013). Afora da importância da sustentabilidade, segundo Condon (2004), a maioria das MPEs não possui estrutura suficiente para monitorar seus múltiplos aspectos, pois ainda há uma percepção talvez errônea desta, muitas vezes associada às pressões dos órgãos ambientais públicos e a necessidade de grandes investimentos. Uma das formas de operacionalizar a sustentabilidade é por meio da pesquisa e aplicação de sistemas de indicadores. Diversos modelos de avaliação da sustentabilidade já foram desenvolvidos com o intuito de sensibilizar e contribuir com melhorias nos processos produtivos no âmbito do tripple bottom line, contudo, observa-se um desafio porque estes não foram construídos especificamente para MPEs. A literatura apresenta um foco nítido na discussão do empreendedorismo e sustentabilidade de empresas de grande porte, com edições especiais sobre a temática (JENKINS, 2004, 2006; FULLER; TIAN, 2006; PERRINI, 2006; WILLIAMSON; LYNCH-WOOD; RAMSAY, 2006; PERRINI; RUSSO; TENCATI, 2007; BAUMANN-PAULY et al. 2013). Assim o objetivo deste trabalho é propor indicadores e critérios de sustentabilidade para micro e pequenas empresas (MPEs). Searcy (2012) realizou uma revisão da literatura sobre sistemas de medição de desempenho em sustentabilidade corporativa para a definição de lacunas de pesquisa nessa temática e dentre as mencionadas pelo autor encontra-se a importância em elaborar os ajustes necessários nos sistemas de medição para que pequenas, médias e grandes empresas alcancem requisitos de sustentabilidade, em consonância com o objetivo deste deste trabalho. Sartori e Campos (2014) realizaram igualmente uma revisão bibliográfica sobre as ferramentas dedicadas a avaliação da sustentabilidade e a sua importância para a compreensão e maior transparência nas relações entre os aspectos que regem essas relações. Dentre as conclusões das autoras, encontra-se a necessidade de estudos sobre a evolução dos métodos de avaliação e a aplicação destes em contextos específicos, públicos e privados. Portanto, com a composição de um conjunto de métricas de sustentabilidade adequadas ao contexto das MPEs pretende-se colaborar com o aprofundamento na pesquisa científica e na gestão empresarial. __________________________________________________________________________________________ 2

A importância da temática como contribuição social é ainda mais relevante quando citados os desafios enfrentados pelos micro e pequenos empresários para sobreviverem em uma economia com altas cargas tributárias, como a brasileira. Segundo Farias e Teixeira (2002) a limitação de recursos financeiros e principalmente a carência de tempo em função do empresário geralmente ser o único responsável pela gestão de todos os aspectos do negócio, impede que este se dedique a outras dimensões da sustentabilidade, como a social e a ambiental. Silva (2005) cita ainda no âmbito das dificuldades de gestão, que os gerentes em caráter geral, sofrem conflitos entre as relações de trabalho e familiares. Nas MPEs estas interligações estão fortemente associadas, pois geralmente o patriarca é também o empresário, e seus filhos respectivamente seus funcionários (NASCIMENTO et al., 2013). Portanto, novas perspectivas de gerenciamento de micro e pequenas empresas que levem em consideração indicadores sociais, ambientais e econômicos, tendem a explicitar situações de conflito e buscam por meio de programas de gestão transpor tais obstáculos no desenvolvimento das pequenas empresas. 2 Material e Métodos Com o intuito de facilitar a reprodução do trabalho, foi desenvolvido um roteiro metodológico, apresentado na Figura 1. O roteiro metodológico permite a análise dos objetivos do trabalho e os produtos científicos alcançados em cada etapa de desenvolvimento. Figura 1 - Roteiro Metodológico.

Fonte: Elaborado pelos autores (2015).

Inicialmente foi realizada pesquisa bibliográfica e documental com o intuito de identificar os métodos de avaliação da sustentabilidade empresarial mais aderentes à temática do trabalho e relevantes no âmbito da academia e dos mercados. A proposta do trabalho mostrou-se pouco explorada no âmbito acadêmico brasileiro e internacional, conferindo ao __________________________________________________________________________________________ 3

trabalho um diferencial característico. Como resultado dessa iniciativa foi obtido o Produto Científico 1, em que foram estudados doze métodos sobre sustentabilidade empresarial. Contudo, os objetivos dos métodos estudados não foram todos compatíveis com o escopo do trabalho. Algumas metodologias, por exemplo, são consolidadas na temática sustentabilidade porém foram desenvolvidas visando grandes corporações. Desta forma, para analisar quais as categorias e indicadores pertencentes as melhores práticas estudadas eram mais adequadas ao objetivo geral do estudo, foi elaborada a Matriz de Priorização baseada nas características das MPEs brasileiras, citada na Figura 1 como Produto Científico 2. A partir do desenvolvimento da Matriz de Priorização foi possível analisar os indicadores dos métodos estudados e priorizar aqueles adequados para as características das MPEs, formando um conjunto de indicadores. Posteriormente, foi realizada a Categorização que consiste no encadeamento das relações dos processos de gestão das MPEs, adicionando uma estrutura lógica ao agrupamento dos indicadores. A categorização teve como base o triple bottom line de Elkington (2001) e as categorias e temas abordados nos métodos analisados, dessa forma os indicadores priorizados foram agrupados (Produto Científico 3). Após, foi realizada a análise de redundância dos indicadores, distribuindo os mesmos em indicadores qualitativos e quantitativos, formalizado como Produto Científico 4. O Produto Científico 5, definido como Banco de Dados sobre MPEs, foi baseado em pesquisas nas homepages de Instituições que desenvolvem estudos específicos sobre MPEs no Brasil. A partir do levantamento dos dados sobre MPEs foi realizada uma comparação com o Produto Científico 4, visando a análise dos indicadores em comum. O propósito desta verificação foi identificar os indicadores já coletados sobre MPEs em outros estudos, ou seja, constatar a aplicabilidade dos indicadores priorizados. A elaboração Produto Científico 6, considerou o perfil do gestor-proprietário das MPEs (Aspectos Decisionais e Individuais detalhados na Matriz de Priorização do Produto Científico 2), identificado por meio da pesquisa bibliográfica e documental, para a elaboração de breves textos descritivos e instrutivos sobre os indicadores qualitativos e quantitativos que compõem o conjunto de indicadores. O processo de construção dos critérios, contemplou a pesquisa sobre Legislações e Melhores Práticas visando a compreensão, sensibilização e orientação do gestor-proprietário sobre a sustentabilidade. 3 Resultados e Discussão A partir da pesquisa bibliográfica e documental desenvolvida, foram encontradas características similares e diferenças na análise comparativa apresentada na Tabela 1, caracterizada como Produto Científico 1. Foram estudados os documentos disponibilizados publicamente dos doze métodos de indicadores de sustentabilidade referentes ao âmbito empresarial. Na Tabela 1 é possível notar que há divergência conceitual sobre as categorias baseadas nas dimensões da sustentabilidade a serem adotadas pelos métodos. Este fator se deve aos enfoques dados de acordo com os objetivos de cada modelo de avaliação. Van Bellen (2005) ressalta que de acordo com a esfera em que se mede a sustentabilidade: global, nacional, regional, local, comunitária ou empresarial; os aspectos culturais e sociais apresentam maior ou menor relevância, por exemplo. Guimarães e Feichas (2009) corroboram a percepção de Van Bellen (2005) e mencionam que de acordo com o conceito de desenvolvimento sustentável adotado as reflexões, propostas e escolhas dos indicadores se __________________________________________________________________________________________ 4

alteram por completo. Apenas dois métodos foram concebidos para avaliar a sustentabilidade no âmbito regional, a proposta de Siena (2008) e de Ahi e Searcy (2015), os demais focalizaram o nível local com públicos em sua maioria corporativos para definição de indicadores de sustentabilidade. Tabela 1 - Produto Científico 1: análise comparativa dos métodos para avaliação de indicadores de sustentabilidade empresarial Identificação

Categorias da Sustentabilidade

Público Alvo

Tipologia dos Dados

Balanced Scorecard da Sustentabilidade (FIGGE et al., 2002)

Financeira, Cliente, Processos Aprendizagem e Crescimento, Mercadológica.

Empresas Âmbito estratégico

Qualitativos Quantitativos

Ambiental, Social, Econômica.

Corporativo

Qualitativos Quantitativos

Social, Ambiental, Econômica.

Corporativo

Qualitativos Quantitativos

Humano, Ecossistema.

Usuários Sociedade

Ambiental, Econômica, Social.

Empresas Rurais

Qualitativos Quantitativos

Valores, Transparência e Governança, Público Interno, Meio Ambiente, Fornecedores, Consumidores e Clientes, Comunidade, Governo e Sociedade.

Micro e Pequenas Empresas

Qualitativos

Econômica, Ambiental, Social.

Corporativo

Visão e Estratégia, Governança e Gestão, Social, Ambiental.

Corporativo

Dow Jones Sustainability Index (DJSI, 2014)

Econômica, Ambiental, Social.

Corporativo (Bolsa de Valores)

Qualitativos Quantitativos Qualitativos Quantitativos Qualitativos Quantitativos

Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) (BM&FBOVESPA, 2014)

Ambiental, Econômico-Financeira, Geral, Governança Corporativa, Mudanças Climáticas, Social, Natureza do Produto.

Corporativo (Bolsa de Valores)

Qualitativos Quantitativos

Social, Institucional, Ambiental, Econômica

Pequenas e Médias Empresas (Manufatura)

Qualitativos

Ambiental, Social, Voluntariado, Resiliência, Longo Prazo, Partes Interessadas, Fluxo, Coordenação, Relacionamento, Valor, Eficiência, Desempenho, Economia.

Cadeia Suprimentos

Qualitativos

Mensuração da Sustentabilidade Corporativa através de Indicadores (STROBEL, 2005). Modelo de Referência para Mensuração da Sustentabilidade Corporativa (DELAI; TAKAHASHI, 2008) Método para avaliar desenvolvimento sustentável (SIENA, 2008) Grid de Sustentabilidade Empresarial (GSE) (CALLADO, 2010) Indicadores de Responsabilidade Social Empresarial para Micro e Pequenas Empresas (ETHOS; SEBRAE, 2012). Diretrizes G4 para Relatórios de Sustentabilidade da Global Reporting Iniciative (GRI, 2013) Indicadores Ethos para Negócios Sustentáveis e Responsáveis (ETHOS, 2013)

Ferramenta de avaliação rápida e holística da sustentabilidade para PMEs em nichos de fabricação (CHEN et al., 2014) Modelo conceitual para medir o desempenho da Gestão da Cadeia de Suprimentos Verde (GCSV) e Gestão Sustentável da Cadeia de Suprimentos (GSCS) (AHI; SEARCY, 2015)

Internos, Não

da

de

Qualitativos

Fonte: Elaborado pelos autores (2015).

Quadros similares ao comparativo apresentado na Tabela 1 foram desenvolvidos por Barddal (2008) e Malheiros, Coutinho e Philippi Jr (2013), porém com enfoque em metodologias de avaliação da sustentabilidade territorial. Em sua maioria, os métodos descritos na Tabela 1 foram desenvolvidos de forma genérica para aplicação em quaisquer setores produtivos. As exceções encontram-se em métodos reconhecidos pelo mercado como a Global Reporting Iniciative que possui módulos exclusivos de indicadores de sustentabilidade para Operadores de Aeroportos, Indústria de Alimentos, Construção Civil, Energia Elétrica, Organizadores de Eventos, Serviços Financeiros, Mineração e Organizações Não Governamentais; e o Índice de Sustentabilidade Empresarial da BM&FBOVESPA em que a Categoria Ambiental do método é dividida nos Grupos A, B, C, D, E e IF, contemplando empresas que apresentam características ambientais semelhantes em seus processos. Além disso, dez métodos apresentaram seus indicadores de sustentabilidade em artigos e documentos oficiais, e Chen et al. (2014) e Ahi e Searcy (2015) demonstraram seus métodos por meio de frameworks com as respectivas categorias e subcategorias da sustentabilidade. __________________________________________________________________________________________ 5

Em cinco dos doze métodos analisados, o triple bottom line (ELKINGTON, 2001) se destacou em sua configuração original das dimensões da sustentabilidade, ou seja, com apenas três pilares. No entanto, os demais métodos incluíram de forma segmentada a mesma abordagem. Portanto, optou-se formalmente pela categorização dos indicadores de sustentabilidade das MPEs em três dimensões: Econômicos, Sociais e Ambientais. No total dos doze métodos analisados, dez métodos apresentaram indicadores quantitativos e qualitativos distribuídos em categorias diversas, totalizando 1539 indicadores. Cada um dos métodos possui públicos alvos específicos, sendo que 58% são voltados ao nicho corporativo, desta forma para verificar quais indicadores eram aplicáveis às MPEs foi elaborada o Produto Científico 2, intitulado de Matriz de Priorização dos Indicadores de Sustentabilidade Empresarial. Tabela 2 - Produto Científico 2: matriz de priorização de indicadores de sustentabilidade empresarial Pouco Adequado (PA) Grande Empresa

Adequado (A) Média - Pequena Empresa

Recursos abundantes;

Recursos limitados;

Aspectos Organizacionais

Gestão descentralizada; Estrutura complexa; Planejamento formal com métodos reconhecidos; Profissionais especializados; Estratégia formalizada e com metodologia instituída para registro e desdobramento; Sistema de informação complexo, formalizado e informatizado; Forma jurídica sociedade anônima; Alta utilização tecnologia.

Aspectos Decisionais

Tomada de padronizada fundamentada;

Muito Adequado (MA) Pequena Micro Empresa

de decisão e

Planejamento de acordo com metas de curto, médio e longo prazos; Monitoramento de dados quantitativos formalizado; Autonomia alinhada com a descrição dos cargos e salários; Racionalidade alinhada aos stakeholders identificados na atuação da organização.

Gestão centralizada aos sócios com delegação de funções aos funcionários com estreita relação; Estrutura simples com organograma; Planejamento de custos formalizado;

Bases Teóricas

Recursos racionalizados;

Leone (1999), Silva; Pereira (2004), Leone; Leone (2011), Sebrae (2013).

Gestão centralizada;

Leone (1999), Silva; Pereira (2004).

Ausência de planejamento formal; Profissionais pouco especializados;

Leone (1999), Leone; Leone (2011). Leone (1999), Leone; Leone (2011), Sebrae (2013). Leone (1999), Silva; Pereira (2004), Leone; Leone (2011).

Estratégia intuitiva com metas registradas;

Estratégia intuitiva;

Leone (1999), Sebrae (2013).

Sistema de informação simples e com planilhas básicas;

Sistema de informação simples e manual;

Leone (1999), Silva; Pereira (2004), Leone; Leone (2011).

Profissionais em capacitação;

Forma jurídica limitada empreendedor individual;

ou

Uso de tecnologias de baixo custo e desenvolvimento de módulos "artesanais". Tomada de decisão com base em análise dos parâmetros internos e externos registrados informalmente; Planejamento usualmente em curto prazo, na implantação de projeto especiífico define metas de médio e longo prazo; Monitoramento de dados associados a produtividade e desperdícios; Alto grau de autonomia decisional dos sócios; Racionalidade alinhada em sua maioria aos stakeholders internos, ou na identificação de algum público em situação-problema.

Estrutura simples;

Forma jurídica limitada, empreendedor individual ou informal; Uso de tecnologia "artesanal" devido aos custos associados. Tomada de perceptiva; Planejamento prazo;

em

Leone; Leone (2011), Sebrae (2013). Silva; Pereira (2004), Leone; Leone (2011).

decisão

Leone (1999), Leone; Leone (2011).

curto

Leone (1999), Silva; Pereira (2004).

Monitoramento de dados quantitativos incipiente;

Leone (1999)

Alto grau de autonomia decisional;

Leone (1999), Silva (2005).

Racionalidade alinhada em sua maioria aos stakeholders internos.

Leone (1999), Silva; Pereira (2004).

__________________________________________________________________________________________ 6

Aspectos Individuais

Pouco Adequado (PA) Grande Empresa

Adequado (A) Média - Pequena Empresa

Predominância dos acionistas; Relação com os empregados geralmente pautada pelas características do superior imediato; Recursos e custos concentrados no valor de retorno aos acionistas;

Predominância do sócio-gestor e demais sócios;

Predominância proprietário;

Colaboração com os empregados além da produtividade empresarial (saúde e meio ambiente);

Estreita colaboração com os empregados, relação paternalista;

Tentativa de separação dos custos pessoais das despesas empresariais;

Difícil dissociação entre patrimônio pessoal e patrimônio jurídico; Riscos definidos geralmente em meio a estratégia ousada de crescimento empresarial.

Implantação de sistema de gestão de riscos.

Tendência a calcular riscos com base na experiência e observação do mercado comprador.

Muito Adequado (MA) Pequena Micro Empresa do

Bases Teóricas Leone (1999), Silva (2005). Silva (2005)

Leone (1999), Silva (2005).

Leone (1999), Sebrae (2013).

Fonte: Elaborado pelos autores (2015).

A Matriz de Priorização foi fundamentada nos preceitos de Mattar (2014) para pesquisas de marketing com enfoque em objetivos exploratórios. Optou-se pelo desenvolvimento de uma Escala de Avaliação Itemizada, composta por breves descrições associadas a categorias ordenadas de acordo com a avaliação pretendida. Para tanto, foram utilizadas as referências estudadas na literatura sobre as características das pequenas empresas brasileiras, em especial os estudos dos autores Leone (1999); Silva e Pereira (2004); Leone e Leone (2011); e Sebrae (2013) os quais permitiram a elaboração de cenários para os portes das empresas. Dessa forma, as estruturas e indicadores de cada método foram analisados na tentativa de verificar a aplicabilidade frente aos aspectos organizacionais, decisionais e individuais das MPEs. Cada um dos 1539 indicadores foram avaliados e enquadrados em um dos Cenários: Pouco Adequado, Adequado ou Muito Adequado. A análise qualitativa efetuada por meio da Matriz de Priorização consistiu em reduzir a possibilidade da avaliação ser tendenciosa e/ou distante da realidade imediata das MPEs, alvo deste trabalho. Assim, acredita-se que tal comportamento foi minimizado e principalmente atende ao escopo do estudo com 29% de indicadores considerados "Adequados" e 20% avaliados como "Muito Adequados", resultando em 756 indicadores priorizados. Os resultados do processo de priorização dos indicadores demonstram que as MPEs não diferem das grandes empresas apenas em termos de tamanho, mas também no processo de tomada de decisão em que a empresa é uma extensão do próprio empreendedor, com estruturas simples e reativas perante as exigências de mercado, reforçando a discussão teórica sobre a importância de estudos voltados para nichos específicos, já que o enfoque da sustentabilidade é preeminente no ambiente corporativo (JENKINS, 2004; 2006; PERRINI, 2006; WILLIAMSON; LYNCH-WOOD; RAMSAY, 2006; PERRINI; RUSSO; TENCATI, 2007; HOIVIK; MELÉ, 2009; BAUMANN-PAULI et al., 2013). A partir da priorização, os indicadores foram agrupados nas Dimensões Econômica, Social e Ambiental (Produto Científico 3), conforme os resultados referentes às dimensões da sustentabilidade e explicitados na Figura 2.

__________________________________________________________________________________________ 7

Figura 2 - Produto Científico 3 e 4: resultados da matriz de priorização divididos nas dimensões da sustentabilidade

Fonte: Elaborado pelos autores (2015).

Os 756 indicadores priorizados foram analisados em relação à sua redundância e redigidos conforme a melhor forma para a compreensão dos micro e pequenos empresários brasileiros, totalizando 96 indicadores de sustentabilidade aplicáveis à micro e pequenas empresas em países em desenvolvimento, tais como o Brasil. A sobrecarga de funções sobre os gestores e funcionários nas MPEs afeta a percepção sobre a sustentabilidade e como é possível operacionalizar o conceito nos empreendimentos (CAREON; SILVA, 2010). O resultado alcançado e demonstrado na Figura 2 contribui para a sensibilização e compreensão de que não há um pilar mais importante que o outro, e sim a gestão para a integração destes que é fundamental para o encontro do equilíbrio no triple bottom line, mencionado no estudo de Sartori, Latrônico e Campos (2014) como uma lacuna de pesquisa. Para auxiliar os micro e pequenos empresários acerca da prioridade para a coleta dos dados e monitoramento dos indicadores propostos, dentro de cada categoria foram propostos Estágios da Estratégia Sustentável da Produção, os quais permitem que o gestor-proprietário foque inicialmente nos indicadores que apresentam exigências legais associadas (Conformidade Legal), após o atendimento e integração desta subcategoria em todos os pilares possa dedicar seus esforços à padronização dos seus processos (Conformidade Normativa), seguido da eficiência e gestão dos riscos do seu negócio (Gestão de Riscos, Eficiência e Produtividade) e por fim interagir com seus stakeholders, buscando relações duradouras entre sociedade e empresa (Negócio Sustentável). Para o desenvolvimento dos 96 indicadores de sustentabilidade para MPEs foram considerados os Princípios de Bellagio (IISD, 2013) e as definições da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) (2014). Esta última define indicador como parâmetro, ou valor calculado a partir dos parâmetros, descrevendo situações complementadas por informações qualitativas. A Agência Ambiental Européia (EEA, 2014) igualmente considera indicador como medida utilizada para comunicar um acontecimento complexo ou tendência de forma simplificada. No presente estudo, optou-se por dividir os indicadores em qualitativos e quantitativos. Os indicadores qualitativos foram desenvolvidos por meio de questionamentos, com o objetivo de facilitar o entendimento do micro e pequeno __________________________________________________________________________________________ 8

empresário e manter a aderência com os resultados da Matriz de Priorização. Já os indicadores quantitativos são expressões de índices numéricos que em conjunto com as informações qualitativas constituem uma base simplificada para a tomada de decisão em relação à assuntos complexos, tais como a sustentabilidade. Para verificar a aplicabilidade dos indicadores priorizados neste trabalho e analisar as informações reunidas sobre este nicho específico no Brasil, foram pesquisados estudos de instituições com acesso disponível ao público acadêmico. Na Tabela 3 são observadas as principais características dos estudos encontrados. Tabela 3 - Produto Científico 5: bases de dados sobre micro e pequenas empresas brasileiras Instituição/Ano de Coleta

Enfoque do Estudo/Distribuição Geográfica

Pilares TBL

Setor / Amostra de MPEs

1 - IBGE/2001

Panorama das MPEs Comerciais e de Serviços / Brasil

Econômico

Comércio / 30.000 Serviços / 51.615

Econômico

Industrial / 496

Econômico Ambiental

TIC, Calçados, Confecção, MetalMecânico, Moveleiro / 106 Setores Diversos / 6,3 milhões de estabelecimentos. Comércio, Serviços, Indústria, Construção Civil, Agropecuária / 2.326 Comércio, Serviços, Indústria, Construção Civil, Agropecuária / 2.326

4DIEESE/Sebrae/2013

Indicadores de Competitividade na Indústria Brasileira / Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo. Inovação, Competitividade e Sustentabilidade de Micro e Pequenas Empresas / Santa Catarina. Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa / Brasil

5 - Sebrae/2013

Pesquisa sobre a Sustentabilidade nas MPEs / Brasil

6 - Sebrae/2013

Inovação nos Pequenos Negócios / Brasil

7 - IBQP/ Sebrae/FGV/ 2014

GEM - Empreendedorismo / Brasil

2 - CNI/Sebrae/ 2004, 2005 3 - Sebrae/ 2012, 2013

Social Econômico Social Ambiental Econômico Social Ambiental Econômico Social

Setores Diversos / 10.000

Fonte: Elaborado pelos autores (2015).

Os estudos foram publicados em um período de 13 anos (2001-2014), coincidentemente o mesmo período entre os artigos de Leone (LEONE,1999; LEONE; LEONE, 2011) os quais contribuíram com o desenvolvimento da Matriz de Priorização (Tabela 2). Nota-se por meio da evolução na discussão dos artigos e do enfoque dos estudos (Tabela 3) que há um interesse crescente em compreender a integração das dimensões da sustentabilidade nas empresas de pequeno porte no Brasil. Leone e Leone (2011) ressaltam que a própria classificação do porte dos negócios, por exemplo, não deve ser uma medida estática, mas sim uma composição de requisitos dinâmicos em função do ambiente de mudanças constantes em que estão inseridos. Os primeiros estudos desenvolvidos pelo IBGE e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) em parceria com o Sebrae (Sistema Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) no início dos anos 2000 apresentam um viés econômico para a definição do desempenho geral das empresas de pequeno porte no Brasil. A partir de 2012 os estudos passaram a diversificar o enfoque dos dados coletados, contemplando levantamentos de cunho social no âmbito trabalhista e até mesmo específicos sobre a percepção dos micro e pequenos empresários sobre a sustentabilidade. É válido ressaltar o papel do Sebrae nesta evolução, sendo que na Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) realizada em 2012, a instituição se comprometeu com ações para o fomento da sustentabilidade das MPEs. Os estudos do Sebrae de 2013 (5 e 6 da Tabela 3) constituem iniciativas dos compromissos firmados. A partir dos dados coletados nos estudos descritos no Quadro 3, foi realizada uma análise comparativa com o conjunto de indicadores de sustentabilidade para MPEs, os resultados podem ser observados na Figura 3. __________________________________________________________________________________________ 9

Figura 3 - Disponibilidade e coleta de indicadores de sustentabilidade sobre micro e pequenas empresas nas bases de dados brasileiras

Fonte: Elaborado pelos autores (2015).

A Dimensão Econômica apresentou 50% dos indicadores já coletados em bases de dados sobre micro e pequenas empresas brasileiras. É interessante ressaltar que no âmbito do Negócio Sustentável da Dimensão Econômica não foram identificados indicadores similares nos estudos. Este âmbito está alinhado com a priorização de fornecedores locais, substituição de produtos que causam impactos socioambientais e afetam o faturamento, sensibilização de consumidores acerca da logística reversa e suas ações que refletem em arranjos orçamentários para implementação. Acredita-se que os estudos não abordaram tais questionamentos por estes se constituírem das melhores práticas, alinhadas às exigências que as MPEs devem enfrentar em um futuro próximo. Segundo Ahi e Searcy (2015), medir sustentabilidade ao nível da cadeia de suprimentos, formada por clientes, distribuidores, fornecedores geralmente de pequeno porte, é um desafio para os modelos tradicionais de negócio. Os autores ressaltam que a medida que as ações de melhoria são implantadas nas empresas de grande porte, o conceito se estende para a cadeia de suprimentos através de uma ampla perspectiva nos sistemas de produção, consumo e pós-consumo, fazendo com que as empresas que desejam continuar no mercado se adaptem. A Dimensão Social apresentou, igualmente, 50% dos indicadores já incluídos nas bases de dados descritas na Tabela 3. A Dimensão Ambiental abrangeu 57% de indicadores previamente coletados nas bases de dados estudadas. A importância da inclusão da inovação na operacionalização da sustentabilidade foi destacada nesse âmbito, corroborada pelo conceito de Barbieri (2007). Para o autor uma organização inovadora sustentável “não é a que introduz novidades de qualquer tipo, mas novidades que atendam as múltiplas dimensões da sustentabilidade em bases sistemáticas e colham resultados positivos para ela, para a sociedade e o meio ambiente” (BARBIERI, 2007, p. 105). Portanto, segundo o método adotado neste trabalho, é possível inferir que cerca de 52% dos indicadores propostos são considerados “clássicos” ou “usuais”, pois já são coletados em bases de dados específicas para MPEs brasileiras desde 2001. Os demais indicadores consistem no resultado das Melhores Práticas pesquisadas e priorizadas para MPEs. Desta forma, a contribuição científica deste trabalho encontra-se, principalmente, em 46 (quarenta e seis) indicadores de sustentabilidade inovadores e adaptados à realidade de um país em desenvolvimento. __________________________________________________________________________________________ 10

Em resumo, a perspectiva representada pelos indicadores propostos é provocativa por apresentar o apelo do mercado frente à diversas das dificuldades enfrentadas pelas MPEs, porém, indicando possibilidades para a gestão das empresas. Grapeggia et al. (2012) destaca que os micro e pequenos empresários brasileiros acreditam que na etapa de gênese dos negócios estes devem focar no planejamento financeiro, senso de organização e conhecimento do produto no mercado, estando estes fatores alinhados com as demandas da maioria dos 46 (quarenta e seis) indicadores não coletados nas bases de dados brasileiras. Contudo, na prática, os próprios empresários do estudo de Grapeggia et al. (2012) responderam que se preocuparam tardiamente com planejamento e organização, priorizando inicialmente na definição do foco do negócio. Logo, a importância de uma ferramenta de gestão com indicadores selecionados dentre as melhores práticas e adaptados para a realidade das MPEs se renova, reforçando a contribuição social do trabalho. Para Gomes e Malheiros (2012), os indicadores não devem abranger apenas as funções de mensuração e operacionalização de parâmetros, mas principalmente a capacidade de auxiliar na compreensão e reflexão sobre os impactos do negócio para apoio à tomada de decisão. A versão completa da proposta do trabalho resultou em 96 (noventa e seis) indicadores de sustentabilidade, considerando aqueles coletados em bases de dados e os demais não disponíveis nos estudos descritos na Tabela 2. Assim, em razão das dificuldades de compreensão do conceito sustentabilidade (GUIMARÃES; FEICHAS, 2009; SILVA; SELIG; MORALES, 2012; SEBRAE, 2012) e os obstáculos enfrentados pelos micro e pequenos empresários para garantirem a sobrevivência dos negócios (LEONE, 1999; FARIAS; TEIXEIRA, 2002; SILVA; PEREIRA, 2004; SILVA, 2005; CAREON; SILVA, 2010; LEONE; LEONE; 2011; CHEN et al., 2014), foram elaborados critérios para complementação do indicadores de sustentabilidade visando a composição de bases de diretrizes de sustentabilidade para MPEs. Segundo a NBR ISO 9001:2008 (ABNT, 2008), diretriz pode ser considerada um documento que estabelece recomendações ou sugestões facilitando a coerência e a compreensão das normas. Para a presente proposta foram desenvolvidas as bases para a elaboração de diretrizes para cada um dos 96 (noventa e seis) indicadores, buscando incrementar a clareza e o entendimento destes por meio de critérios específicos. O processo de desenvolvimento do embasamento dos critérios envolveu a pesquisa por legislações e regulamentações associadas aos indicadores de Conformidade Legal, assim como detalhes de Pactos Voluntários na Conformidade Normativa e esclarecimentos nos documentos oficiais dos métodos de avaliação da sustentabilidade resultantes da Matriz de Priorização. O Produto Científico 6, Critérios e Indicadores de Sustentabilidade para MPEs, constituiu em um incremento na contribuição social do trabalho, pois diferenciou o estudo em relação aos demais métodos pesquisados pelo caráter instrutivo atribuído a cada indicador selecionado, em razão do perfil deste nicho específico (LEONE, 1999; SILVA, PEREIRA, 2004; SILVA, 2005; LEONE; LEONE, 2011; SEBRAE, 2013). Na Tabela 4 é possível analisar um recorte dos indicadores econômicos, sociais e ambientais do Produto Científico 6.

__________________________________________________________________________________________ 11

Tabela 4 - Exemplo do Produto Científico 6. Critérios

CATEGORIA/DIMENSÃO ECONÔMICA DA SUSTENTABILIDADE - Conformidade Legal Indicadores Bases Teóricas Bases de Dados

A empresa deve realizar o monitoramento da folha de pagamento visando o acompanhamento de um indicador importante para a tomada de decisão frente ao incremento ou redução da produtividade.

Critérios

STROBEL (2005) SIENA (2008)

IBGE (2001) CNI; SEBRAE (2006) SEBRAE (2012) IBQP; SEBRAE; FGV (2013) SEBRAE; DIEESE (2013)

CATEGORIA/DIMENSÃO SOCIAL DA SUSTENTABILIDADE - Conformidade Legal Indicadores Bases Teóricas Bases de Dados

A empresa deve estar em consonância com a legislação (Lei e Decreto Anticorrupção) e ser proativa por meio de sua conduta em assuntos como corrupção e suborno, confidencialidade de informações, concorrência desleal, lavagem de dinheiro, abuso de informação privilegiada, meio ambiente e saúde e segurança no que tange a atuação frente as suas partes interessadas.

Critérios

Qualitativo: Processo formalizado de contratação de funcionários. Qual a forma de contratação dos funcionários? Quantitativo: - % Custo da Folha de Pagamentos no último ano = Folha de Pagamento/Faturamento Bruto - No de funcionários.

Qualitativo: A empresa possui um código de ética/conduta ou política anticorrupção divulgada aos seus funcionários e fornecedores? Quais mecanismos a empresa utiliza para que a conduta anticorrupção seja seguida (responsabilidades bem definidas, política de tolerância zero, entre outros) e assim quaisquer pagamentos ou recebimentos irregulares que tenham como objetivo facilitar negócios, influenciar decisões em benefício da empresa ou induzir pessoas a conceder permissões indevidas sejam coibidos/proibidos? Quantitativo: No de processos em que a empresa está envolvida por questões éticas (último ano).

STROBEL (2005) DELAI; TAKAHASHI (2008) CALLADO (2010) ETHOS; SEBRAE (2012) ETHOS (2013) GRI (2013) DJSI (2014) BM&FBOVESPA (2014)

SEBRAE (2013)

CATEGORIA/DIMENSÃO AMBIENTAL DA SUSTENTABILIDADE - Conformidade Legal Indicadores Bases Teóricas Bases de Dados

Em caso de não conformidade ambiental perante à legislação identificada em fiscalização por órgãos ambientais ou pela polícia ambiental, a empresa pode ser autuada ou até mesmo embargada (Lei de Crimes Ambientais - Lei No 9.605/1998). O instrumento utilizado para a regularização das empresas é o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) realizado usualmente com o Ministério Público Federal ou o Termo de Compromisso de Execução Extrajudicial (TCEE) com os órgãos ambientais. Estes documentos formalizam as pendências que as empresas devem cumprir para alcançar as lacunas no atendimento da legislação, as medidas mitigadoras que reduzem os impactos gerados ou ainda as medidas compensatórias em que é necessário buscar outra alternativa para compensar o efeito indesejado.

Qualitativo: A empresa recebeu alguma sanção administrativa de natureza ambiental (autuações, multas, processos judiciais, embargos)? Qual o contexto das não conformidades? A empresa possui algum TAC ou TCEE em andamento? Como está o cumprimento dos prazos e critérios estabelecidos? Quantitativo: - % de multas e embargos resultantes de não conformidades com leis e regulamentos ambientais em relação à receita bruta, no último ano.

GRI (2013) BM&FBOVESPA (2014)

SEBRAE (2012)

Fonte: Elaborado pelos autores (2015).

Assim, o Produto Científico 6 apresenta cunho sensibilizador para que os empresários sintam-se motivados a buscar o incremento nos seus processos e no relacionamento com as partes interessadas. Os critérios buscaram sanar a lacuna da incerteza sobre a implantação dos indicadores, conduzindo através de breves recomendações maneiras de como desenvolver uma iniciativa ou monitorar um indicador específico. 4 Conclusões Dentre as potencialidades do estudo encontra-se a abrangência dos critérios e indicadores de sustentabilidade em relação ao perfil de atuação interno e externo das MPEs. Através da pesquisa bibliográfica e documental pela qual foi desenvolvida a Matriz de Priorização, baseada em autores que explicitaram efetivamente as dificuldades das MPEs __________________________________________________________________________________________ 12

brasileiras em seus negócios, foi desenvolvida uma ferramenta para análise dos indicadores alinhada a um cenário verossímil à realidade. A utilização de métodos internacionais para a composição dos critérios e indicadores garante que os pequenos negócios possam se adaptar e incrementar sua competitividade, alinhados às exigências de mercados estrangeiros e igualmente confere uma aproximação da vivência das grandes empresas, geralmente clientes das MPEs, contribuindo para a qualificação das cadeias produtivas. Para o desenvolvimento deste trabalho a escolha pelo conceito de sustentabilidade do triple bottom line de Elkington (2001) constituído pelos pilares econômico, social e ambiental foi decorrente dos resultados observados nos métodos de avaliação de indicadores de sustentabilidade empresarial estudados. Contudo, notadamente, existem perspectivas que integram diversos aspectos, como é o caso de Sachs (2002) com os âmbitos social, econômico, ecológico, espacial, cultural, político nacional e internacional da sustentabilidade. Para empresas que já estão em um estágio maduro da sustentabilidade, conceitos múltiplos como o de Sachs (2002) são indicados pois trabalham com particularidades do território em que a organização está situada. Para as MPEs, o triple bottom line mostrou-se adequado em função da disseminação no meio empresarial e a clareza mais facilitada. Recomenda-se em trabalhos futuros a utilização dos critérios e indicadores propostos em uma amostra estatisticamente relevante com a finalidade de avaliar o grau de sustentabilidade de MPEs situadas em países em desenvolvimento. A partir do resultado alcançado (número de indicadores coletados), identificar as oportunidades de melhoria dos processos das MPEs e desenvolver objetivos, metas e programas para a melhoria contínua destas no âmbito da sustentabilidade. Ressalta-se igualmente a importância de estudos sobre a sustentabilidade no processo de internacionalização de MPEs situadas em países em desenvolvimento, no qual seria possível avaliar quais os critérios e indicadores de sustentabilidade presentes neste estudo são considerados "essenciais" para o sucesso de operações desse tipo. 5 Referências ABNT ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9.001:2008: requisitos. Rio de Janeiro: ABNT, 2008. AHI, P.; SEARCY, C. An analysis of metrics used to measure performance in green and sustainable supply chains. Journal of Cleaner Production, v. 86, p. 360-377, 2015. ANDERIES, J. M.; FOLKE, C.; WALKER, B.; OSTROM, E. Aligning Key Concepts for Global Change Policy: Robustness, Resilience, and Sustainability. Ecology and Society, v. 18, n. 2, 2013. BARBIERI, J. C. Organizações inovadoras sustentáveis. In: BARBIERI, J. C; SIMANTOB, M. Organizações inovadoras sustentáveis: uma reflexão sobre o futuro das organizações. São Paulo, Atlas, 2007. BARDDAL, R. Viabilidade de projetos e a inserção das dimensões de sustentabilidade: Uma aplicação em projetos turísticos. 2008. Dissertação (Mestrado em Administração) Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Biguaçu. BAUMANN-PAULY, D.; WICKERT, C. SPENCE, L. J.; SCHERER, A. G. Organizing Corporate Social Responsibility in Small and Large Firms: Size Matters. Journal of Business Ethics, V. 115, p. 693-705, 2013. __________________________________________________________________________________________ 13

BM&FBOVESPA. Questionário ISE 2014 - Versão Final. 2014. Available in: http://isebvmf.com.br/index.php?r=site/conteudo&id=75. Acesso em: 02 jun. 2014. CALLADO, A. L. C. Modelo de Mensuração de Sustentabilidade Empresarial: uma Aplicação em Vinícolas localizadas na Serra Gaúcha. 2010. Tese (Doutorado em Agronegócios) - Programa de Pós-Graduação em Agronegócios da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre. CAREON, L. H.; SILVA, S. F.. Sustentabilidade Empresarial Para A Micro E Pequena Empresa. Seminários em Administração XIII SEMEAD. 2010. Available in: Acesso em: 22 de abril de 2013. CHEN, D.; THIEDE, S.; SCHUDELEIT, T.; HERRMANN, C. A holistic and rapid sustainability assessment tool for manufacturing SMEs. CIRP Annals - Manufacturing Technology, V. 63, n.1, p. 437-440, 2014. CNI Confederação Nacional da Indústria; SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Indicadores de Competitividade na indústria brasileira: micro e pequenas empresas. Brasília : CNI, 2006. 134 p. CONDON, L. Sustainability and Small to Medium Sized Enterprises: How to Engage Them. Australian Journal of Environmental Education, v. 20, n. 1, p. 57-67, 2004. DELAI, I.; TAKAHASHI, S. Uma proposta de modelo de referência para mensuração da sustentabilidade corporativa. Revista de Gestão Social e Ambiental, v.2, n.1, p. 19-40, 2008. DJSI Dow Jones Sustainability Index in Collaboration with RobecoSAM. Sample Questionnaire. 2014. Available in: . Acesso em: 06 jun. 2014. EEA European Environmental Agency. Environmental Indicator Report 2014: Environmental Impacts of Production-Consumption Systems in Europe. Luxembourg: Publications Office of the European Union, 2014. ELKINGTON, J. Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books, 2001. ETHOS Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. Documentos de apoio a aplicação. 2013. Available in: < http://www3.ethos.org.br/conteudo/iniciativas/indicadores/documentos-de-apoio-aaplicacao/#.U7lQeY1dXXw>. Acesso em: 07 jun. 2014. ETHOS Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social; SEBRAE Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Indicadores Ethos-Sebrae de Responsabilidade Social Empresarial para Micro e Pequenas Empresas. 2012. Available in: < http://www3.ethos.org.br/cedoc/indicadores-ethos-sebrae-versao-2012/#.U7lUUo1dXXw>. Acesso em: 07 jun. 2014. FARIAS, J. S.; TEIXEIRA, R. M. A pequena e micro empresa e o ambiente: a percepção dos empresários com relação aos impactos ambientais. Organizações & Sociedade, v. 9, n. 23, p. 1-20, 2002. FIGGE, F. et al. The sustainability balanced scorecard: linking sustainability management to business strategy. Business Strategy and the Environment, v. 11, n. 5, p. 269-284, 2002. FULLER, T.; TIAN, Y.. Social and Symbolic Capital and Responsible Entrepreneurship: An Empirical Investigation of SME Narratives. Journal of Business Ethics, 67, 287-304. 2006. GRAPEGGIA, M.; LEZANA, A. R.; ORTIGARA, A. A.; SANTOS, P. C. F. Fatores condicionantes de sucesso e/ou mortalidade de micro e pequenas empresas em Santa Catarina. Produção, v. 21, n. 3, p. 444-455, 2011. __________________________________________________________________________________________ 14

GRI Global Iniciative Reporting. Princípios para Relato e Conteúdos Padrão. 2013. Available in: < https://www.globalreporting.org/Pages/resourcelibrary.aspx?resSearchMode=resSearchModeText&resSearchText=G4&resCatText=Reportin g+Framework&resLangText=Brazilian+Portuguese>. Acesso em: 04. jun. 2013. GUIMARÃES, R. P.; FEICHAS, S. A. Q. Desafios na Construção de Indicadores de Sustentabilidade. Ambiente & Sociedade, v. 12, n. 2, p. 307-323, 2009. GOMES, P. R.; MALHEIROS, T. F. Proposta de análise de indicadores ambientais para apoio na discussão da sustentabilidade. G&DR, v. 8, n.2, p.151-169, 2012. IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. As micro e pequenas empresas comerciais e de serviços no Brasil: 2001. Rio de Janeiro: IBGE, 2003.102 p. IBQP Instituto Brasileiro da Qualidade e Produtividade; SEBRAE Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas; FGV Fundação Getúlio Vargas. GEM Global Entrepreneurship Monitor: Empreendedorismo no Brasil 2014. Paraná: UFPR, 2014. IISD International Institute for Sustainable Development. Complete Bellagio Principles. 2013. Available in: < http://www.iisd.org/measure/principles/progress/bellagio_full.asp>. Acesso em: 13 mai. 2014. JENKINS, H. A Critique of Conventional CSR Theory: An SME Perspective. Journal of General Management, 29, 55-75. 2004. _____. Small Business Champions for Corporate Social Responsibility. Journal of Business Ethics, 67, 241-256. 2006. LEONE, N. M. C. P. G. As especificidades das pequenas e médias empresas. Revista de Administração. V. 34, n.2, p. 91-94, abr./jun. 1999. LEONE, R. J. G.; LEONE, N. M. C. P. G. Pequenas e médias empresas: Contribuições para a discussão sobre por que e como medir o seu tamanho. RaUnP, Ano 4, n.1, p. 67-83, out.2011./mar. 2012. MALHEIROS, T. F.; COUTINHO, S. M. V.; PHILIPPI JR, A. Indicadores de sustentabilidade: uma abordagem conceitual. In: MALHEIROS, T. F.; PHILIPPI JR, A. Indicadores de sustentabilidade e gestão ambiental. Barueri: Manole, 2013. 1 ed. 743 p. MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing: Metodologia, planejamento, execução e análise. 7. ed. Rio de Janeiro : Elsevier, 2014. 504p. NASCIMENTO, M.; HAUBERT, F. L. C.; FILARDI, F.; LIMA, M. V. A. Avaliação de desempenho de micro e pequenas empresas fundamentada na metodologia MCDA-C na Cidade de Lages. Future Studies Research Journal, v. 5, n. 2, p. 79-112, Jul./Dez. 2013. OCDE The Organisation for Economic Co-operation and Development. Green Growth Indicators 2014: The OECD green growth measurement framework and indicators. OECD Publishing: Paris, 2014. PERRINI, F. SMEs and CSR Theory: Evidence and Implications from na Italian Perspective. Journal of Business Ethics, 67, 305-316. 2006. PERRINI, F.; RUSSO, A.; TENCATI, A. CSR Strategies of SMEs and Large Firms: Evidence from Italy. Journal of Business Ethics, 74, 285-300. 2007. SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002. SARTORI, S.; CAMPOS, L. M. S. Identification of Sustainability Assessment Tool in Literature. Revista Espacios, v. 35, n.11, p. 6-11, 2014.

__________________________________________________________________________________________ 15

SARTORI, S.; LATRÔNICO, F.; CAMPOS, L. M. S. Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável: uma taxonomia no campo da literatura. Ambiente & Sociedade, v. 17, n. 1, p. 122, jan./mar. 2014. SEARCY, C. Corporate Sustainability Performance Measurement Systems: A Review and Research Agenda. Journal of Business Ethics, V. 107, p. 239–253, 2012. SEBRAE Serviço de Brasileiro Apoio às Micro e Pequenas (Org). Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2013. 6. ed. Brasília: DIEESE, 2013. _____. O Que Pensam As Micro E Pequenas Empresas Sobre Sustentabilidade. 2012. Disponível em:< http://www.sebrae.com.br/estudos-e-pesquisas>. Acesso em: 08 jun. 2014. _____. Sobrevivência das empresas nos Brasil: Coleção Estudos e Pesquisas. 2013. 2. ed. Brasília: SEBRAE, 2013. _____. Avaliação do Potencial de Inovação, Competitividade e Sustentabilidade de Micro e Pequenas Empresas: Relatório Final. Florianópolis: LCG, 2013. _____. Inovação nos pequenos negócios. Brasília, DF: Sebrae, 2013. 80 p. _____. Pesquisa sobre sustentabilidade: Relatório Final. Brasília, DF: Sebrae, 2013. 88 p. SILVA, A. B. A vivência de conflitos entre a prática gerencial e as relações em família. 2005. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis. SILVA, A. B.; PEREIRA, A. A. Fatores de influência na gestão das empresas de pequeno e médio porte da grande Florianópolis/SC. In: XXVIII Encontro da ANPAD, 2004, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2004. SIENA, O. Método para avaliar desenvolvimento sustentável: técnicas para escolha e ponderação de aspectos e dimensões. Produção, v. 18, n. 2, p. 359-374, 2008. SILVA, A. W. L; SELIG, P. M.; MORALES, A. B. T. Indicadores de Sustentabilidade em Processos de Avaliação Ambiental Estratégica. Ambiente & Sociedade, v. 15, n. 3, p. 75-96, 2012. SMERALDI, R. O novo manual de negócios sustentáveis. 1. Ed. São Paulo: Publifolha, 2009. STROBEL, J. S. Modelo para Mensuração da Sustentabilidade Corporativa através de Indicadores. 2005. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de PósGraduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis. VAN BELLEN, H. M. Indicadores de Sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005. WILLIAMSON, D., G. LYNCH-WOOD; J. RAMSAY. Drivers of Environmental behavior in Manufacturing SMEs and the Implications for CSR. Journal of Business Ethics, 67, 317330. 2006. WU, D. D.; OLSON, D. L.; BIRGE, J. R. Risk management in cleaner production. Journal of Cleaner Production, v. 53, p. 1-6, ago. 2013.

__________________________________________________________________________________________ 16

Lihat lebih banyak...

Comentários

Copyright © 2017 DADOSPDF Inc.