Jour après jour... do possível no mundo: Notas para uma imagem audio-visual (2014)

Share Embed


Descrição do Produto

Jour après jour… Do possível no mundo: Notas para uma imagem audiovisual Sebastian Wiedemann

Uma ou várias perguntas nos instigam: em que lugar, sob quais condições, sob que procedimentos um por-vir do cinema é possível? Estas interrogações, só podem achar uma resposta provisória em singularidades, em casos pontuais e tomando partido na defesa de um certo modo da percepção. Neste ponto nos encontramos com “Jour après jour” de Jean-Daniel Pollet. Vivemos o mundo como clichê1. Este se impôs e nos deixou em um estado de anestesia perceptivo, privando-nos justamente da experiência no mundo. Domina a lógica do mercado, do tempo televisivo e publicitário, que toma por refém o olho, deixando-nos em estado catatônico e de estupidez. Nesta sociedade de controle2 em que vivemos, cremos ter liberdade de eleição, no entanto o que na realidade acontece é que o olho é saturado, até ser engasgado com o espetáculo3 e então, a impotência e tristeza são o que prospera. Ante este estado, ante esta falta de mundo, “Jour après jour” vem a se impor e a resistir. Defende-se uma política da imagem. Desejando que esta nunca seja estéril, que nunca seja impotente e triste, que sempre seja afirmativa, vital e alegre. É radical e, como ética da existência, resiste-se à anestesia para que um mundo deixe de faltar, para que um mundo possa despertar e ser reinventado. É neste ponto, onde Pollet -o cineasta- , como caso singular em “Jour après jour”, faz-nos sentir quão amalgamadas podem estar uma ética e uma estética, que escapam do extensivo e se abrem ao intensivo, que afirmam a potência e liberam intensidades saindo da representação dominante do mundo. Em “Jour après jour” vemos e sentimos como um corpo resiste, afirma-se e está à altura do acontecimento que se avizinha. Pollet sabe que lhe resta pouco tempo de vida. Depois de 

Mestrando em Estudos Contemporâneos das Artes – PPGCA-UFF. Licenciado en Dirección Cinematográfica por la Universidad del Cine (FUC) - Argentina. E-mail: [email protected] 1 Cf. Deleuze, G. (2007). Pintura. El concepto de diagrama. (pp.55-60) Buenos Aires: Cactus. O clichê é aquilo do qual devemos nos subtrair. Apagá-lo, limpá-lo, não deixar que devore o mundo. Lutar contra ele. Escapar-se para que algo se possa ver. Recordemos que a experiência e o ato criador que fazem abrir o olho se dão arrancando-nos do clichê. 2 Cf. Deleuze, G. (1995). Post-Scriptum sobre las sociedades de control. In Conversaciones. (pp.150-155) Santiago de Chile: Escuela de Filosofía Universidad ARCIS. 3 Cf. Debord, G. (1995) La sociedad del espectáculo. Buenos Aires: La Marca. ALEGRAR - nº14 - Dez/2014 - ISSN 18085148 www.alegrar.com.br

um acidente, ficou em cadeira de rodas. Um trem passou por cima dele, deixando-o imóvel, ainda que isso seja só na aparência. Passa os últimos dias de sua vida em sua casa de campo, próxima ao Mediterrâneo. Decide fazer um último filme. Um filme de menos, que certamente não é um testamento. Um filme, entre sua casa e seu jardim, “Jour après jour”4, onde nada se conta, ou em todo caso, ocupa-se sem contar5, para tão somente poder continuar. Continua-se e com o transcorrer do filme a perseverança de uma vida também o faz, dia após dia, foto após foto. O gesto de Pollet grita: Amor fati! como o grita Nietzsche. Em “Jour après jour” reinventase uma imagem, reinventa-se uma vida. Novas possibilidades surgem, onde se dança a vida, onde se dá um devir vida da morte. E onde um mundo é possível, graças a uma ética, a uma estética das intensidades onde constantemente se estão inventando novos modos para a maior das artes que é viver. Um mundo é possível, porque nos negamos à banalidade como mundo, e pelo contrário o entendemos como expressão “que quer dizer-se, afirmar-se, levada como por uma corrente (…), rio ou fogo, que cada vez que é ameaçada de apagarse, encontra seu caminho” (Lins, 2007, p.77). Expressão, proliferação intensiva de bons encontros, que acha seu caminho na que chamaremos: imagem audiovisual. Antes de entrar de fato no funcionamento desta imagem, que emerge de “Jour après jour”, iremos muito rápido ainda que seja para voltar e dizermos: Não é tão simples arrancar intensidades do mundo já que este ao mesmo tempo se impõe como clichê. E talvez frente ao aturdimento do olho o único modo de reinventá-lo seja por um ouvido, por uma escuta que possa ver. Uma imagem audiovisual, onde a partir de um fundo comum de sonoridades6, o cinema se possa dizer como “devir-música7” Trata-se de liberar ritmos, ritmos na matéria de expressão, porém também na vida, ritmos vitais. E é por esta conjunção entre ética e estética que apelamos ao filme de Pollet.

4

É importante remarcar, que o filme foi finalizado post-mortem pelo amigo de Pollet, Jean Paul Fargier. Cf. Deleuze, G. (1998). Boulez, Proust y el tiempo: ocupar sin contar. Archipiélago: Cuadernos de crítica de la cultura, 18-23. 6 Entendemos à maneira de Ferraz, sonoridade como a totalidade dos desdobramentos implicados na escuta,não na coisa sonora. Trata-se de ouvir não o som, nem o que está no som, e sim o que está no ouvir, nas potências que nos afectam e que se movem e que são criadas na escuta. Isto é, as sonoridades implicam um devir-intensivo, um devir-música. Ferraz agregara que há musicalidades, imagens musicais sem referência direta ao som. Paul Klee pinta a Bach. Não se trata de acompanhar ou transpor, mas sim de sentir ressonâncias, de contagiar-se, de encontrar-se, de sentir vizinhanças. Cf. Ferraz, S. (2005) Livro das Sonoridades: notas dispersas sobre composição. Rio de Janeiro: 7 Letras. 7 Cf. Deleuze, G., & Guattari, F. (1988).Devenir-intenso, devenir-animal, devenir-imperceptible. In Mil Mesetas. Mil Mesetas. Valencia: Pre-Textos. Do devir Deleuze nos dirá pensando em Espinoza que são os afetos mesmos. Os afetos são devires. E esses devires se expresam num tempo não pulsado flutuante, tempo de Aiôn, tempo do acontecimento. Devir é a passagem do molar ao molecular. 5

ALEGRAR - nº14 - Dez/2014 - ISSN 18085148 www.alegrar.com.br

Filme que diremos, confunde-se com a composição musical. O ferreiro e o músico 8confundem-se e o cineasta -Pollet- tem mais de pintor e de compositor que de outra coisa. O cinema devém-música, e com ele o fazedor de imagens devém-compositor. Pollet em seu duplo movimento onde uma ética/estética das intensidades se amassa e toma lugar, vem a dizer-nos que nem a imagem, nem a montagem são suficientes. Há que reinventá-las desde uma margem impensada. Há que alcançar a imagem 9, há que ensaiá-la, há que fazê-la imagem-matéria. E à montagem há que subordiná-la a una lógica onde o ouvido se imponha ante o olho. Lógica do ritornelo, da metalização bi-face. Para compor precisamos antes de mais nada uma imagem-matéria, cine-matéria10, onde se entra e se está entre as coisas, onde a imagem como força-material pode ser modulada, já que é fendida. Imagem que encontra seus antecedentes em experimentações radicais, como as de Vertov, Brakhage e Jarman. Assim pois, fender e alcançar a imagem em sua materialidade, é deixar-se arrastar pela vertigem e a violência de uma visão háptica, na que se corre o risco de se perder, antes que cuidá-la a distância na comodidade de uma visão ótica bem orientada. Violenta-se a imagem, fá-la órfã e solitária, devolve-se sua alegria ao liberá-la da transcendência de uma significação. Muda, afirma-se longe de qualquer encadeamento sensório-motriz, é imagem qualquer, imagem não-específica, imagem objetiva. Imagem que privilegia sua planitude e achatamento, para liberar a diagonal, não na perspectiva (falso problema, o da profundidade), mas na superfície, no plano flutuante. Imagem que abandona a verticalidade (deixa atrás o cavalete que a freia e delimita a partir de uma subjetividade) e se tomba sem medo de enlamear-se, entrega-se à horizontalidade que bem conhecia Pollock, entrega-se a “estar imersa no mundo, em uma ação dentro de uma horizontalidade deslocalizada e deslocalizável.” (Xavier, 2008, p. 323). “O horizonte ótico reverteu-se por completo em solo tátil” (Deleuze, 2002, p.108) Imagem ótica e sonora pura, em estado gasoso. Estado “demasiado quente da matéria para que distingamos nela corpos sólidos. É um mundo de universal variação, universal ondulação: não há eixos nem centro, direita nem esquerda, alto nem baixo...” (Deleuze, La imagen-movimiento. Estudios sobre cine 1, 8

Cf. Deleuze, G. (2005).Música y Metalurgia. En Derrames. Entre el capitalismo y la esquizofrenia. Buenos Aires: Cactus. 9 Trata-se de alcanzar a imagem, trata-se de facer da imagen um processo de formação. Ao respeito da “Gestaltung” processo de formação no lugar da “Gestalt” forma, Cf. Klee, P. (2007) Teoría del arte moderno. Buenos Aires: Cactus. 10 Cf. Parente, A. (2000). Narrativa e Modernidade. Campinas, SP: Papirus. (pp.94-97) ALEGRAR - nº14 - Dez/2014 - ISSN 18085148 www.alegrar.com.br

2005, p.90). Não há mais janela-quadro pela qual olhar, a imagem ganha legibilidade. Imagem que se diz em multiplicidade de parâmetros e em séries divergentes. Imagem implicada em um diagrama11, em uma modulação constante, em um processo aberto de devires intensivos. Ou seja, é uma imagem onde as intensidades puras podem ser liberadas e afirmadas. Cinema da imanência, que é definido pelas longitudes e latitudes de suas intensidades, por suas relações de velocidade e lentidão, do mesmo modo que ocorre na música. Cinema da imanência: pôr um olho que entre na matéria, como o indica Vertov. O procedimento com que “Jour après jour” consegue, é fazer que a imagem seja imagem de imagem e que por multiplicação de séries se deforme ou prolifere. Em ambos os casos o modelo que servia para a representação foi deixado para atrás. E neste sentido não é menor a escolha do recurso da fotografia fixa, de preferência à cinematográfica ou vídeo-gráfica. Pollet pôde ter utilizado uma câmera de vídeo portável e, no entanto não o faz. Prefere a intensidade concentrada do instante, fotograma detido e repetido sobre si mesmo ao infinito, e onde os afetos da captura da forma e da cor são mais latentes. De um lado, a fotografia analógica é digitalizada, e é imagem da imagem sem modelo. Diz-se muitas fotografias na tela: oscila constantemente entre uma e quatro imagens. Ou o que é o mesmo, fala-se uma e multíplice ao mesmo tempo. Do outro lado, apelando ao fotograma, Pollet busca ir direto ao elemento genético da imagem, ao elemento diferencial do movimento. A imagem é una e multíplice ao mesmo tempo. Recordemos que o fotograma é a potência rítmica que gera o intervalo. Na tela mesma, dividida em quatro -entre imagens- há algo assim como intervalos em espessuras internos à própria imagem. A imagem é modulada, é composta internamente, é composta sobre ela mesma e deste modo mantém sua autonomia e permanece sem encadeamento sensório-motor algum. Esta imagem, em estado de formação constante, onde a matéria-movimento não é coagulada, nem tampouco sedimentada, busca contágios, busca conexões para liberar ritmos, que como dissemos encontram sua gênese nas sonoridades. Ritmos, afetos desatados por entre os interstícios do composto sonoro-visual, graças à lógica do ritornelo como princípio de composição. O ritornelo

é uma máquina,

uma fábrica que produz

tempos, tempos

não

cronológicos, tempos que se suspendem na duração. Quer dizer, “tempos não pulsados”12, 11

Cf. Deleuze,G. (2007). Pintura. El concepto de diagrama. Buenos Aires: Cactus. (pp. 89-106)

ALEGRAR - nº14 - Dez/2014 - ISSN 18085148 www.alegrar.com.br

onde se ocupa sem contar, onde intensidades são liberadas. O ritornelo modula e conecta fragmentos, séries, nunca de forma linear, sempre em espiral, dando voltas, fazendo que a cada ponto lhe corresponda alguma série, algum fragmento, se desprenda, adquira autonomia e se ponha a girar em outro ritornelo. O ritornelo não só cria tempos nãopulsados ou lisos, também cria “tempos pulsados” ou “estriados”. E são estas estrias, que como o já codificado, que como repetições periódicas, são rede ou cerca por onde as intensidades e os ritmos já desprendidos se coam. Tempo do acontecimento que conecta com as estrelas e tempo do hábito que conecta com cronos. Assim, em desdobramento, o ritornelo vem do caos, passando pela terra, onde o território e a casa têm lugar, para finalmente

se

abrir

ao

cosmos.

Territorializar- Desterritorializar-Reterritorializar.

Passagem do extensivo ao intensivo. Pequeno e grande ritornelo, do ethos ao perder-se no cosmos. Linhas de fuga são traçadas, uma transversal, uma diagonal, uma linha flutuante pela que se passa. Sempre em tensão entre o pequeno e grande ritornelo, para não cair no buraco negro. Sempre forma a deformação. Então compor, é desfazer constantemente os territórios, é abrir o ritornelo, para que o devir tenha lugar. Estar nesse vai e vem, nesse movimento de ida e volta, sendo cauto, prudente, para não se desanimar, para liberar as diferenças eficientes sem ser tragado pelo abismo. “Jour après jour” como lugar da imagem audiovisual, alia-se com o ritornelo, embora este por si só não seja suficiente. Os blocos sonoro-visuais estão dispostos a serem modulados, a se conectarem em relações impensadas, a liberarem ritmos. Entretanto é preciso que as sonoridades, transmitam um impulso às visualidades, um primeiro contágio para manter o movimento sempre ativo e desejante. As sonoridades são a imagem do desejo, lugar da gênese dos ritmos. E é pela metalização13 bi-face, que prolongam o desejo nas visualidades. Uma metalização interna à matéria sonora faz continuar a ondulação para que uma escuta não se fixe, enquanto as visualidades também são metalizadas. Metalização biface, como o procedimento que faz o devir-música do cinema e que portanto define a imagem áudio- visual. Processo pelo qual as sonoridades fazem devir às visualidades, podendo recuar e retroalimentar este processo. Pois é como se estes dois meios, que fazem o composto sonoro- visual, “compartilhassem a mesma sombra, que se estende através de sua natureza diferente e lhes acompanha sempre.” (Deleuze, 1992, p. 220) O composto sonoro-visual, compartilha uma mesma sombra, uma mesma causa imanente que faz possível a interferência mútua. Contudo é no baixo fundo das sonoridades onde o ritmo jaz, por mais que este seja liberado através dos interstícios do composto. Como diz ALEGRAR - nº14 - Dez/2014 - ISSN 18085148 www.alegrar.com.br

Bellour: “estamos mais além da imagem em uma mistura sem nome” (2008, p.168). Estamos em um entre-imagens, e é nesse entre onde a sombra habita e na passagem, produz um passear-se e permite liberar os ritmos. Esta sombra é o inaudível-invisível que entra em uma vertigem, em uma zona de indistinção, passear-se indiscernível entre o inaudível e o invisível, onde se dá um constituir-se visitante. Inaudível e invisível se interferem, visitam-se mutuamente, sem distinção, são um passear-se e fazem possível a passagem e o circuito Audível//inaudívelinvisível//Visível. As sonoridades audíveis modulam-se, devêm moleculares, alcançando o inaudível, alcançando as sonoridades inaudíveis da imagem visual. Estas sonoridades inaudíveis, por sua vez fazem modular a matéria-luz da imagem. Circuito sustentado nas sonoridades, circuito reversível que faz à metalização bi-face, e ao ritornelo como possibilidade do cinematógrafo. Cinema que libera ritmos, que se alimenta da sombra, pois nós antes de mais nada somos sombra. Cinema das intensidades, que se passeia, que se diz imagem a udiovisual. Pollet entra e sai constantemente de sua casa. Não pode alcançar fisicamente o mar (está na cadeira de rodas), mas intensivamente o faz. Sai de seu ethos, passeia pelo jardim que o circunda com cada fotografia que toma, devém-jardim, devém-flor, devém-molecular e alcança o cosmos. Sempre movido por uma sonoridade que alimenta a expressão e o impulsa e sustém. Essa sonoridade é a da “onda”. Através dela, da “onda” Pollet finalmente alcança o Mediterrâneo. Ali entre o grande e o pequeno ritornelo, onde a matéria-movimento não é retida e sempre a forma progride até a deformação, é inevitável que o “eu”, -que Pollet-, se quebre e alcance o impessoal em seu devir. Devir-cosmos, devir-imperceptível. Pois o “eu” é tomado por uma emoção que o descentra -como um acontecimento- e o leva até a terceira pessoa do plural e logo, até o impessoal (devém-se). Pollet, devém cor, devém vermelho, verde, canto de pássaro, sussurro de onda. Devircosmos, devir-imperceptível, que por sua vez faz que a imagem audiovisual, seja devirmúsica. Ali é onde está, adquire sua maior singularidade. Em “Jour après jour”, a imagem audiovisual não só é gesto estético que libera intensidades, antes que nada é gesto ético que sustenta e faz continuar uma vida. Finalmente um cinema da imanência, das sonoridades que nos lembra que somos ALEGRAR - nº14 - Dez/2014 - ISSN 18085148 www.alegrar.com.br

“hecceidades” que devem fluir como a música, para que a vida não tenha sido um erro e os ritmos sigam vibrantes. Devir, interferir, passear-se. Imagem intensiva, imagem audiovisual. Dia após dia, afirmar uma imagem, afirmar uma vida. Um por-vir para o cinema se fez possível.

ALEGRAR - nº14 - Dez/2014 - ISSN 18085148 www.alegrar.com.br

Referências e trabalhos citados Agamben, G. (2002). La inmanencia absoluta. En E. Alliez, Gilles Deleuze. Una vida filosofica. (págs. 69-82). Medellin: Revista Euphorion. Bellour, R. (2008). La doble Helice. En J. L. Ferla, Las prácticas mediáticas predigitales y postanalógicas (págs. 149-169). Buenos Aires: Aurelia Rivera/Librería Nueva. Debord, G. (1995). La sociedad del espectáculo. Buenos Aires: La Marca. Deleuze, G. (1995). Conversaciones. Santiago de Chile: Escuela de Filosofía Universidad ARCIS. Deleuze, G. (1996). La inmanencia: una vida. Sociología(19). Deleuze, G. (1998). Boulez, Proust y el tiempo: ocupar sin contar. Archipiélago: Cuadernos de crítica de la cultura, 18-23. Deleuze, G. (27 de Junio de 1999). O ato de criação. Folha de São Paulo. Deleuze, G. (2002). Francis Bacon, lógica de la sensación. Madrid: Arena Libros. Deleuze, G. (2005). Derrames. Entre el capitalismo y la esquizofrenia. Buenos Aires: Cactus. Deleuze, G. (2005). La imagen-movimiento. Estudios sobre cine 1. Buenos Aires: Paidos. Deleuze, G. (2005). La imagen-tiempo. Estudios sobre cine 2. Buenos Aires: Paidos. Deleuze, G. (2006). Spinoza: filosofia practica. Buenos Aires: Tusquets. Deleuze, G. (2007). Pintura. El concepto de diagrama. Buenos Aires: Cactus. Deleuze, G. (2008). En medio de Spinoza. Buenos Aires: Cactus. Deleuze, G., & Guattari, F. (1988). Mil Mesetas. Valencia: Pre-Textos. Deleuze, G., & Guattari, F. (1992). O que é a filosofia? Rio de Janeiro: Editora 34. Deleuze, G., & Parnet, C. (2004). L'Abécédaire. París: Montparnasse. Ferraz, S. (2005). Livro das Sonoridades: notas dispersas sobre composição. Rio de Janeiro: 7 Letras. Ferraz, S. (2010). Deleuze, música, tempo e forças não sonoras. Artefilosofia, 67-76. Ferraz, S. (2010). Músicas e Territórios. Polêm!ca, 1-15. Lins, D. (2007). Expressão. Espinosa em Deleuze. Deleuze em Espinosa. Rio de Janeiro: Forense Universitaria. Parente, A. (2000). Narrativa e Modernidade. Campinas, SP: Papirus. Pollet, J.-D., & Fargier, J.-P. (Dirección). (2007). Jour après jour [Película].

Lihat lebih banyak...

Comentários

Copyright © 2017 DADOSPDF Inc.